Rosa Amarela: A dupla musical que encanta a Umbanda

Ensaio com Pris Mariano e Rodrigo Di Castro/Foto enviada pelo casal.

Por Alessandro Valentim

Talvez você ainda não tenha escutado falar na dupla, mas quando ouvir uma música não vai conseguir parar. É esse o efeito que a Rosa Amarela vem causando entre os espiritualistas. Com músicas no estilo rezo e MPB voltadas às entidades das religiões de matriz africana e ao povo cigano, Pris Mariano e Rodrigo Di Castro já passam dos 50.000 seguidores no YouTube e já atingiram quase meio milhão de visualizações em um dos seus clipes.

A música sempre esteve presente na vida dos dois. Até 2015, o casal trabalhava em casas de shows e compondo jingles para campanhas, mas essa rotina não bastava mais para Priscila, que acabou desistindo da carreira. Rodrigo não aceitou a decisão da esposa e sempre insistiu para que lutassem juntos pelo sonho musical.

Em 2018, durante a ceia de Natal, Pris disse ao marido que só voltaria a cantar se fosse para seus guias. A escolha deixou Rodrigo orgulhoso e fez a dupla compor o primeiro sucesso, a música para Yemanjá. De lá para cá já colecionam obras em homenagem à Oxalá, Ogum, Ciganos, Nova Terra, Exu, Nanã, Oxum, São Miguel, Xangô etc. A produção dos clipes é independente e Rosa Amarela ganha novos fãs todos os dias.

Show da dupla/Foto enviada pelo casal.

Por que cantar para a espiritualidade?

Ela é nossa fonte de inspiração para vida.

Quais as maiores dificuldades para a produção dos clipes?

A dificuldade é a limitação de recursos. Precisamos usar a criatividade para suprir toda demanda envolvida.

Como nascem as letras? Quem escreve?

Geralmente somos nós! Simplesmente chega. O Rodrigo começa a dedilhar, quando eu vejo surge a letra. Em outros momentos, a letra e a melodia chegam juntas. Algumas composições de nosso trabalho apresentam parcerias com outros compositores. Outras foram cedidas, a exemplo disso, temos “Reza do Vento” do Ale de Maria, que hoje compõe o nosso repertório.

Qual música mais toca o coração de vocês?

Cada uma tem um lugar especial, vibrando de maneira diferente.

Qual a importância do terreiro que faz parte neste trabalho?

Eu, Priscila, posso dizer que foi um divisor de águas. A importância de minha família espiritual está para além do Rosa Amarela. Aprendo e cresço todos os dias com tudo o que vivencio lá. Posso afirmar que foi lá que percebi que precisava retomar o canto como propósito.

O isolamento social atrapalhou alguma expectativa de shows? Pensam em promover?

Por enquanto estamos mantendo a segurança, nos recolhendo. Mas, para 2021 temos alguns projetos.

Quem escolhe os figurinos e cenários dos clipes?

Gravação do clipe Rosa de Fogo/Foto enviada pelo casal.

Também somos nós!  No figurino, procuramos ter respeito pela história cultural da energia do Orixá homenageado. Contamos com uma parceria de ouro. A loja “Muito Axé” sempre nos dá suporte nos adereços e demais artigos.

Por que ”Rosa Amarela”?

Seria uma forma de expressar nossa gratidão por uma energia que sempre marca a sua presença em nossas vidas.

Como o trabalho de vocês pode contribuir para a representatividade da fé dos nossos irmãos?

Pensamos que de maneira artística, Rosa Amarela pode apresentar a beleza que há em nossos cultos e altares, combatendo o medo da intolerância, a vergonha ou ainda a falta de fé. Nosso maior propósito com este trabalho é impulsionarmos uma nova consciência, sendo esta pacífica e de amor.