Intolerância Religiosa: candomblecistas são expulsos de carro por motorista de aplicativo

Filhas de santo do Babalorixá Rafael da Silva. Apenas duas fariam a viagem com o dirigente./Foto enviada pela vítima.

Por Alessandro Valentim 

Com vestimentas do candomblé, três passageiros tiveram sua corrida recusada por motorista de aplicativo após entrarem no carro. Rafael da Silva estava com suas filhas de santo, Ana Paula e Sandra Martins, quando sofreram a discriminação na última terça, 08, no Engenho Novo, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro.

Em seu relato, o Babalorixá explica que estavam carregando algumas sacolas e caixas com materiais para o trabalho espiritual que seria feito antes do anoitecer. As vítimas não transportavam animais, nem desrespeitaram normas da companhia, mas ouviram diversas vezes do motorista: ‘’não faço esse tipo de corrida’’, contou o dirigente. 

A irmã de Rafael, Tamara da Silva, fazia companhia aos passageiros na espera pelo serviço da 99Taxi e testemunhou o ocorrido. O dirigente do terreiro Egbé Asé Bangbosê tentou fazer a denúncia na delegacia do bairro, mas foi orientado a procurar a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), onde já registrou um Boletim de Ocorrência. 

A denúncia no Facebook do Babalorixá tem gerado bastante repercussão e o vereador e presidente da Frente Parlamentar contra a Intolerância, Átila A. Nunes entrou em contato com a vítima para enviar um ofício ao aplicativo e ajudar a resolver o caso. ‘’Nitidamente agiu com preconceito religioso’’, comentou o vereador na publicação de Rafael.

”No primeiro momento fiquei tão perplexo que mal consegui me mover para sair do carro. Me senti muito agredido, sem chão e sem ação. Depois de descer do carro, fiquei desapontado comigo por algum tempo, por não ter tomado a ação de chamar a polícia lá no local. Mas, doeu mais ainda quando vi os comentários de muitas pessoas, algumas da própria religião, me atacando com xingamentos e acusações, como se nós fossemos os criminosos. A palavra que define o que sinto agora é medo.”- Rafael da Silva.