Ewé: A chave do portal, aborda a ligação entre a saúde e as ervas sob a ótica Iorubá

A importância das folhas sagradas e a manipulação delas nos cultos afro-brasileiros, como o Candomblé e a Umbanda, é a temática levantada pelo babalorixá, Márcio de Jagun, no seu novo livro, que será lançado nesta quarta-feira, no Campus Maracanã, da UERJ.

A ideia da obra é levar o conceito de saúde e doença, a partir da filosofia Iorubá, para pesquisadores, religiosos e simpatizantes. A ritualística do equilíbrio físico e espiritual através do elemento vegetal é a abordagem principal da documentação didática que aponta como os povos Iorubás superam doenças com o auxílio das ervas, uma prática milenar.

Além disso, a obra enfatiza a importância da natureza, o respeito a ela e o uso responsável das suas folhas, em prol do bem e da cura.

O Livro “Ewé: A Chave do Portal”, lembra os nomes científicos e populares dessas mais de 500 plantas e suas aplicações específicas.

Da Editora Litteris, ele será lançado entre 18h e 21h, no auditório da sala 2097, no corredor F, 2º andar, que fica na Rua São Francisco Xavier.

Márcio de Jagun

Marcio Righetti, conhecido como Márcio de Jagun, já acumula livros como “Orí: A cabeça como divindade: História, Cultura, Filosofia e Religiosidade Africana” e “Yorùbá: Vobabulário Temático do Candomblé”.

Márcio de Jagun
Foto: reprodução internet