Logun Edé: o príncipe

Foto: reprodução internet

Por: Sydney Salvatori Ti Logun Edé

 

Da história de amor entre Oxóssi: o grandioso Deus das matas, divindade da fartura, da caça, da inteligência, e Oxum: rainha das águas doces, deusa da beleza, da riqueza, e da fertilidade; nasce Logun Edé: príncipe soberano entre os orixás, divindade da riqueza, da beleza, da jovialidade.

Segundo vários itãs, Logun Edé se divide entre dois reinos: nas matas em companhia de seu pai é um grande caçador, ágil, astuto, observador, e junto de seu Oxóssi, emergem suas caraterísticas masculinas enquanto um Odé.

Quando está nas águas doces, lagos, cachoeiras, lagoas e cascatas, Logun Edé tem suas características femininas mais evidentes, mostrando-se faceiro, sedutor, vaidoso, refresca-se nas águas, nadando e brincando junto a Oxum, sua mãe.

Menino, moleque, adolescente. Logun Edé transcende o que se conhece como masculino ou feminino. Está acima dos dois universos e justamente por isso consegue transitar com facilidade entre os dois.

Mas o mistério de Logun Edé não se resume a ser um príncipe de dupla natureza. Logun Edé é conhecido também pela sua grande e notada habilidade enquanto feiticeiro. É dono do segredo, da magia, da força que se move e não se pode ver. A etimologia do nome Logun remete ao termo em Yorubá Olóògun” que quer dizer: “mago, feiticeiro”.

Já Edé pode se tratar de uma corruptela para “Odé” que quer dizer “caçador”. Portanto, Logun Edé é o “mago caçador” entre os orixás. Orikís e itãs falam de Logun Edé como um grande conhecedor de poções, feitiços e rituais de cura. Grande parte deles aprendidos com Ossãim e, em um outro momento, com Obaluaiyê.

É encontrado por Iansã dormindo dentro de um lírio, encantada por sua beleza ela o leva consigo para seu reino e faz dele mais uma vez um grande príncipe. É curado por Omolú depois de ser acidentalmente atacado por um enxame numa caçada junto de seu pai.

Estes e muitos outros itãs nos deixam claro o quanto Logun Edé é amado por todos os orixás, como uma criança que dança livremente pelo barracão comovendo e fazendo brotar sorrisos nos corações de todos em volta.

Ser Logunssi

Ser filho de Logun Edé é enxergar beleza por toda parte, principalmente onde a maioria das pessoas não consegue. É deixar-se conduzir pelo que é belo… a beleza do mundo, a beleza da vida, a beleza do espírito. É ter força para pagar o preço pela escolha de agir sempre guiado pelo requinte, fineza e elegância.

Um filho de Logun é sempre versátil, ele consegue se dar bem no mais variado tipo de ambiente. Comunica-se bem, e é articulado. Vai a um pagode numa laje num dia, e no dia seguinte vai a um jantar num restaurante caro e nos dois ambientes se diverte de forma igual e é bem tratado por todos.

Tal qual a cauda de um frondoso pavão, às vezes um Logunssi está aberto, gosta de conversar, rir, conhecer gente interessante, dançar e flertar. Em outros momentos se fecha, de tal maneira que nenhuma companhia lhe interessa a não ser a sua própria. Nesses momentos o filho de Logun se isola, vai ler um livro, assistir um filme ou simplesmente se recolhe em um lugar onde possa ficar absolutamente só.

Sim, ser de Logun tem seus conflitos. É ser imprevisível, é se cansar das coisas, é mudar de ideia várias vezes sobre um mesmo assunto, é não conseguir ser fiel àquilo que se planeja deixando malucas todas as pessoas em volta.

É sair para comprar um par de sapatos e no caminho se distrair com outras coisas mais interessantes e voltar pra casa tendo feito diversas outras coisas menos comprar o par de sapatos! É ser extremamente vaidoso, buscando sempre estar impecável e com a melhor das aparências. É ter afinidade com as artes seja música, dança, artes plásticas ou teatro.

Ser Logunssi é se irritar fortemente com certa facilidade, especialmente quando as coisas não saem como nós queremos que saiam. Ser de Logun é ter consciência dos próprios pontos fortes e se orgulhar deles. Um filho de Logun nunca se faz de modesto.

Ser filho de Logun Edé é ser genioso, ter personalidade forte, mas ainda assim ser engraçado, doce e dengoso tudo ao mesmo tempo.

Talvez o que realmente seja mais difícil em ser filho de Logun Edé, visto que lidamos o tempo todo com duas naturezas dentro de nós, é a constante busca pelo equilíbrio, tentando fazer com que a vida permaneça “nem tanto a terra, nem tanto ao mar”, como dizem os mais velhos.

Mas, acima de tudo ser Logunssi é saber conduzir a vida com alegria, é saber dançar com a vida conforme os acontecimentos se apresentam. É se mover com charme e agir com gentileza. É saber fazer bons amigos e gostar de estar com eles, é brilhar no mundo com toda dor e delícia que isso traz. É ser belo, seja fisicamente, seja nas atitudes, seja no espírito. É ser feito de beleza. É ser Ijexá.