Nanã Buruquê: curiosidades da Orixá da sabedoria

Foto: reprodução internet

Hoje, dia 26 de Julho, a Umbanda comemora o dia de Nanã Buruque, Orixá da sabedoria, calma e evolução. Considerada como “avó” ela é madura, séria, super protetora, porém ranzinza e vingativa.

Mesmo o seu elemento predominante sendo o barro, ela está diretamente ligada à água, já que controla o contato do elemento com a terra, fazendo nascer pântanos e lama. É considerada, portanto, como o ponto de força dos lagos.

A cor de Nanã é o lilás ou roxo e suas oferendas não podem ser preparadas a partir de metais como facas e talheres, já que esta é a sua quizila.

Uma particularidade é relacionada a responsabilidade que ela exerce sobre a reencarnação, além de cuidar do corpo dos mortos e recriar a vida. A história da Orixá é totalmente ligada a criação do homem e por isso é chamada de grande mãe de todos os homens, já que para a religião, sem ela, a existência humana não seria possível.

 

Sincretismo

A figura de Nanã está para a Umbanda assim como a de Santa Ana está para a igreja católica, sendo que ambas são comemoradas hoje e no catolicismo a santa é venerada como a padroeira dos avós.

 

Outras curiosidades:

Dia da semana: Terça-feira.

Saudação: Saluba Nanã.

Símbolos: Vassoura e ibirí.

Bebida: Vinho.

Animal: Rã.

Comidas: Pirão, jaca e sarapatel.

Principais oferendas: Velas lilás e paçoca de amendoim.