Quando a solidariedade de uma tarde vira amor permanente

Há exatos 10 anos, alguns pais que frequentavam um lar de fé, no bairro da Penha, no Rio de Janeiro, começaram a perceber que aquele local respirava muito mais do que a religião umbandista, mas sim o amor ao próximo e a caridade. Eles passaram a encontrar no espaço, apoio, ajuda e solidariedade em prol de seus filhos carentes de assistência social e saúde.

A partir desse momento, a famosa expressão “boca a boca” foi levando cada vez mais crianças, que precisavam de suporte, para o amparo das ações voluntárias, iniciado com um grupo de 12 pessoas. O local, é a Tenda Espírita Frei Antônio de Pádua, que decidiu transformar uma ação isolada em uma responsabilidade social constante da casa.

Da vontade de ajudar os pequeninos, surgiu o “Projeto Tarde Feliz”, que até hoje envolve cerca de 40 pessoas e realiza ações com atividades recreativas e doações de leite em pó, cestas básicas, além de festas em datas comemorativas, como a páscoa, dia das crianças e natal.

Projeto Tarde Feliz, edição de Natal

Atualmente são beneficiadas 130 crianças, entre 6 meses e 12 anos, e jovens de até 19 anos, sendo esses com necessidades especiais como o autismo. Todos vivem em situação de pobreza na comunidade da Vila Cruzeiro. A Mãe de Santo Vera Lucia de Oxóssi, toca a casa com o auxílio de filhos de santo e médiuns como a Daniele, de 36 anos, que revela a atualização do registro de cada criança: “sempre fazemos um cadastro anual, uma espécie de pasta com todos os dados e fotos de cada um, de forma bem organizada”.

Médium Daniele

Com dedicação, esforço e doações, o Tarde Feliz é feito de forma bimestral, sendo que a última edição foi em maio e a próxima está prevista para setembro, mas ainda sem data definida. Vale lembrar que a Tenda necessita da arrecadação de alimentos, roupas e brinquedos e todas as informações para doações podem ser consultadas na página: https://www.facebook.com/TenFap/

A Tenda

Em agosto, a Tenda Espírita Frei Antônio de Pádua completa 80 anos história. O templo foi fundado pela já falecida Mãe de Santo Sara Costa. Antes do atual endereço, a casa funcionava em uma construção onde hoje é o Viaduto da Avenida Lobo Junior, também na Penha.