“Nasci dentro de um roncó”: A história da Oya que cresceu na Umbanda e ergueu sua própria Tenda

Na identidade, ela é Vânia Cristina Serpa Pereira, uma mulher que poderia seguir a formação de instrumentação cirúrgica, mas preferiu largar tudo para exercer e se dedicar exclusivamente a espiritualidade. Os caminhos traçados nos anos 70, provocou essa virada completa na vida de Vânia. Hoje, mais do que o sobrenome, ela carrega o Oya no seu batismo, que significa uma responsabilidade na religião umbandista.

Se a pergunta é sobre a relação dela com o axé, a resposta é direta: “Nasci dentro de um roncó”. Com o passar dos anos, ela continuou envolvida com o local e suas tradições dentro do terreiro dos pais. Coroada aos 7 anos, por Pai Cipriano e Vovó Catarina, iniciou oficialmente a sua entrega e logo aos 14, já teve a primeira incorporação com a Pomba Gira Tata Mulambo, entidade que ela trabalha até hoje.

Feita em Angola e Umbanda, Vânia D’Oya acompanhou a mãe carnal, que era zeladora, por muitos anos e foi nela que se inspirou para manter a caminhada de carinho e amor ao próximo. Depois que se tornou Yalorixá, aos 25 anos, deu sequência ao aprendizado que a fez chegar até aqui, aos 50 anos e com o seu próprio terreiro. A casa, Tenda Umbandista Cabocla Jupira e Vovó Nazaré, fica em Pedra de Guaratiba, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Tenda Umbandista Cabocla Jupira e Vovó Nazaré

Desde a inauguração do terreiro, em 2013, ela dirige; realiza sessões a cada 15 dias, sempre às segundas-feiras; e atua nas 24 horas com o apoio dos filhos de santo. Além disso, a casa tem o suporte de 50 pessoas, entre o corpo mediúnico e voluntários. Toda estrutura é voltada para o atendimento das pessoas, que sem precisar marcar horário, procuram um passe ou uma palavra de carinho. São dessas visitas que surgem grandes histórias como as inúmeras curas promovidas pelas entidades. Há casos de pessoas que  viraram filhos e filhas de santo após a cura e até relatos como a devolução da saúde para quem quase teve uma perna perdida.

A Tenda Umbandista Cabocla Jupira e Vovó Nazaré, que leva esse nome em homenagem a dirigente Cabocla Jupira e a mentora Vovó Nazaré, realiza uma vez por ano atividades religiosas em cachoeiras e praias e promove Giras.

Casamento e família

Os pais de Vânia que a iniciaram na Umbanda, hoje falecidos, tiveram três filhos, sendo ela a única umbandista. Quando completou 28 anos de casada, Vânia D’Oya realizou uma nova cerimônia, desta vez no ritual da religião. O marido é presidente e também ajuda durante as sessões. Eles têm três filhos: um de 26 anos é Pai Pequeno da casa; um de 13 anos que é o Ogan e uma menina de 12 anos que já está sendo encaminhada para o cargo de Mãe Pequena.

Após 28 anos de casamento, Vânia D’Oya realiza cerimônia na Umbanda

Tata Mulambo

A entidade é considerada por Vânia D’Oya como a dona dos caminhos, para quem ela tira o chapéu e reverencia. As lendas contam que a Pomba Gira viveu mais de 100 anos e era uma rainha cercada de riquezas. Um dia, durante um passeio, conheceu um camponês, se apaixonou e muito iludida acreditando que tinha encontrado a felicidade, juntou dinheiro, deixou seu castelo e foi procurá-lo. A busca entre ruas e praças foi sem sucesso e a rainha virou mulambo, se entregando às drogas, prostituição e logo depois foi morta.

Programação da Tenda Umbandista Cabocla Jupira e Vovó Nazaré

Sessões: 29/06, 13/07, 27/07, 10/08, 24/08 e 14/09

Data festiva Exú: 15/06

Saída de Camarinha Yemanjá: 07/09

Festa de Ibejada: 28/09

Gira Cigana: 19/10

Crispim e Crispiniano: 26/10

Festa de Tata Mulambo: 09/11

Festa de Malandro: 23/11

Festa das Yabas: 07/12

Encerramento na Praia: 21/12

Vânia D’Oya