Junho imponente

Foto: reprodução internet

O mês que divide o ano no meio, que separa em dois blocos os 12 meses e encerra um semestre, também mostra toda a força dos Orixás, sendo que um em especial. Xangô, que para as religiões de matriz africana significa justiça, virilidade e um ponto de força entre pedreiras e montanhas, é considerado como o regente do mês de junho e é celebrado no dia 24.

Em homenagens ao mês, ao orixá e demais crenças, as casas e centros de Umbanda já divulgaram seus calendários com eventos especiais. Entre eles está o Centro de Umbanda Caboclo Tupinambá, na Taquara, zona oeste do Rio de Janeiro, que já no segundo fim de semana do mês e também segundo sábado, o dia 8, terá a Gira Ibeijada. No dia 22, será a vez da Gira de Caboclos.

No Terreiro de Umbanda Vovó Rita da Bahia, localizado no bairro São Francisco Xavier, na zona norte da cidade, a programação inclui uma Gira de Exú na mesma data, um evento somente para médiuns no dia 15 e a grande Festa de Xangô no dia 22.

 

Xangô

Além de ser conhecido como o protetor dos intelectuais, o Orixá também é o regente dos raios, do trovão e do fogo. Em relação à outras divindades, ele é comparado, por exemplo, a importância de Zeus para os gregos. Na Igreja Católica, graças ao sincretismo religioso, ele é o São Jerônimo, Santa Bárbara e São Miguel Arcanjo. Na Umbanda e no Candomblé, Xangô é considerado filho Yemanjá, casado com outras três divindades: Iansã, Oxum e Obá e seu instrumento, com duas lâminas, carregado pelos filhos que entram em transe durante os cultos, leva seu próprio nome: “Machado de Xangô”.