‘Cuidar de quem mais precisa’ é missão de uma casa de santo em Curitiba

Há 15 anos a Assema promove diversas ações sociais para atender a população

Assema tem na Filantropia a base das suas atividades extrarreligiosas. Foto: Divulgação.

Quando anunciou a Umbanda, em 1908, através do médium Zélio Fernandino de Moraes, o Caboclo das Sete Encruzilhadas definiu e então recém-fundada religião como a manifestação do espírito para a caridade. E, por mais que haja adaptações aos novos tempos, este sempre será um dos pilares de sustentação da religião. Mas, como já se sabe, caridade não é feita somente na hora da gira. É por isso que, sob o comando do Babalorixá Marco Boeing, de 48 anos, a Associação Espiritualista Mensageiros de Aruanda – Assema, em Curitiba (PR), segue auxiliando aqueles que mais precisam.

Em atividade há 15 anos, o templo promove ações sociais desde que abriu as portas e hoje conta com um corpo mediúnico de 80 médiuns. O sacerdote conta com o apoio incondicional de seus filhos que somam forças aos projetos filantrópicos executados pela casa.

Já foram oferecidas oficinas, como a de culinária de Terreiro, que foi ministrada pela Ekedji Cristina do Grupo Ojinje. No encontro, foram ensinadas receitas de pratos típicos da liturgia afro-brasileira, com aulas divididas entre teoria e prática. Em seguida, é feito um almoço para os presentes. O curso durou o dia inteiro e teve 26 alunos. Além disso, estão em processo de implementação: oficinas de fabricação de pães e e de fabricação de sabonetes artesanais.

“Nós também pretendemos implantar um projeto de capoeira. Na casa há médiuns que são professores, mas ainda estamos na captação de recursos”, adianta o sacerdote.

No período de Natal, a Assema realiza visitas a comunidades carentes de outras cidades do estado do Paraná e nas proximidades do terreiro. Uma delas é o Brejinho, a qual prestam solidariedade há dez anos e que fica no município de Antonina. Na ação, são entregues kits com calçados, brinquedos, produtos de higiene pessoal e até material escolar, de acordo com a série estudantil da criança. As famílias também são contempladas com cestas básicas.

“As famílias atendidas pelo projeto passam por um cadastro, onde verificamos informações como tamanho de roupas e calçados para as crianças. Todos os itens dos kits de Natal são novos”, destaca.

Marco Boeing, dirigente espiritual da Assema. Foto: Divulgação.

As cestas básicas, inclusive, são doadas ao longo de todo o ano. Além das entregas feitas nas comunidades carentes, os donativos também são entregues diretamente no templo. Para a arrecadação dos itens, o projeto conta com o apoio mais do que especial do Exu da casa, Sr. Sete Encruzilhadas, que pede aos consulentes que ele atende a doação de cestas básicas como agradecimento pela graça alcançada.

“É um hábito das entidades da esquerda da casa, fazerem isso”, comenta.

Outras atividades filantrópicas também são realizadas durante todo o ano, como a doação de cestas básicas e de lanches, que ocorrem mensalmente, e a entrega de marmitas para moradores de rua. As quentinhas geralmente são preparadas com itens como: arroz, feijão e carne. Elas são distribuídas nos arredores do terreiro e nas ruas do centro de Curitiba e, nesta época do ano simultaneamente com a entrega de agasalhos.

A pedido da Preta Velha da Casa, Vó Toinha, o “Lanche da Vó” promove a distribuição de alimentos para moradores de rua. Em julho, houve uma aão recente em conjunto com a campanha do agasalho. No período do inverno, além de distribuir roupas de frio para pessoas em situação de rua, são entregues lanches com chocolate quente e sanduíche. Nesta época, é feita a arrecadação de itens como casacos, cobertores, calças, entre outras peças.

“Na última vez, distribuímos cerca de 40 cobertores. Pretendemos implantar o que for surgindo desde que as possibilidades financeiras e o tempo nos permitam. As coisas acontecem quando a gente tem o recurso”, finaliza.

A Assema fica na Rua O Brasil para Cristo, 586, Hauer, Curitiba (PR). Para fazer doações, basta entrar em contato pela fanpage,  pelo site ou pelo telefone (41) 98851-1200.

*Estagiário de Redação supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.