Um iniciado em Nanã no Candomblé: Pai Criollo conta a sua trajetória

Dirigente de terreiro em Curicica, no Rio, teve livro lançado sobre sua vida em 2016

Camdoblecista homem é raspado em Nanã e conta a sua história em livro. Foto: Reprodução da Internet

Ser adepto de religiões de matriz africana não é uma das tarefas mais fáceis, não só pelo preconceito vindo de pessoas de fora da religião, mas também por polêmicas existentes dentro do meio. Entre elas, a delicada questão referente à feitura de Nanã Buruquê na cabeça de um homem. A tradição mais conhecida pelos adeptos dita que uma pessoa do sexo masculino jamais deve ser raspada para este Orixá. Neste caso, a manifestação da Yabá seria impossível. Mas apesar da regra, aos 14 anos, o Babalorixá Jorge Candido dos Santos, Pai Criollo de Nanã, foi iniciado para a divindade, tornando-se alvo de críticas e julgamentos desde então.

“Foi um abalo muito grande na época. Eu não sabia, não tinha o entendimento necessário sobre o que significa ser homem e filho deste Orixá. Fui humilhado, esbagaçado, mas me mantive. Acreditei primeiramente em mim e depois em meu Pai de Santo. Nasci para ela, vivo para ela, e fu sim, feito (no Santo) para ela”, afirma.

Hoje com 60 anos de idade e 45 de iniciado, Pai Criollo está há 40 anos à frente do Ilê Axé Awoo Wurassian, localizado em Curicica, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Segundo, o candomblecista, inicialmente sua jornada mediúnica foi muito difícil pois, na época, o acesso ao conhecimento era extremamente restrito. O fato inusitado foi tão significante em sua vida , que lhe rendeu um livro escrito por Marcos Penna, seu amigo e grande incentivador. A biografia não poderia ter outro nome senão “Um Criollo de sucesso”, que resume a sua história de forma geral e mostra como lidou com esta adversidade na liturgia do Candomblé. O trabalho foi editado de maneira independente e lançado em 2016.

“Marcos me deu muita força para escrever o livro. Me ajudou no que ele pôde”, reconhece.

Pai Criollo de Nanã tem sua história contada em livro. Foto: Arquivo Pessoal

A iniciação do sacerdote foi feita pelas mãos de Antônio da Mata Neto, o Pai Marinho de Oxum que, apesar da tradição, não tentou encontrar meios de “negociar” com a divindade e seguiu em frente. Ao longo de sua trajetória, Criollo teve que aprender a lidar com julgamentos que colocavam em questão a veracidade das manifestações de Nanã em sua cabeça.

“A princípio, eu não entendia, eu não tinha como ter uma grande defesa. A única coisa que eu fazia era chorar e contar com meu zelador, que me apoiou muito. Até o dia em que fui em uma casa e vi minha mãe incorporada por um homem. Eu olhei para dentro de mim e pensei: o santo é meu, eu quem tenho que gostar. Subi no salto e nunca mais eu chorei por conta dessa situação. Hoje sou um homem respeitado nas maiores e mais famosas casas de Candomblé que existem no Rio de Janeiro”, defende.

O dirigente nunca deixou de reverenciar a dona de seu ori, realizando festas abertas ao público, onde a manifestação da divindade por seu intermédio acontecia naturalmente. Entretanto, após a cerimônia de 21 anos de iniciação do sacerdote, Nanã deixou de se manifestar apenas publicamente, reservando o momento só aos membros da casa.

“Depois dos 21 anos que ela se recolheu, colocou mãe Oyá para tomar conta da casa. Existem coisas muito íntimas que motivaram o recolhimento dela para festas públicas. Somente quem estuda e compreende o Candomblé é que entende. Muitas pessoas me chamam de marmoteiro por hoje eu incorporar com Iansã”, comenta.

Desde o dia em que foi iniciado, felizmente, o candomblecista nunca foi confrontado por alguém que discorde da sua condução na religião.

“O dia que vierem falar comigo, olho no olho, terei resposta para dar. Sem briga, sem palavrão, sem opressão. As pessoas gostam muito de mandar recado. Esse tempo todo, ninguém nunca teve coragem de me afrontar cara a cara”, finaliza.

*Estagiário de Redação supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.