SP: Espetáculo infantil “Ciranda dos Orixás” terá única apresentação no Sesc Ipiranga

Peça infantil apresenta o universo dos Orixás de uma forma melódica. Foto: Divulgação.

Mares, rios, cachoeiras, matas, céus, terras, chuvas, arco-íris são exaltados junto às divindades da Natureza, no espetáculo infantil “Ciranda dos Orixás”, da Cia. Tempo de Brincar, que será apresentado no Teatro do Sesc Ipiranga, em São Paulo, no dia 15 de abril, às 11h. Com canções originais e lúdicas, a peça brinca com diversos ritmos, como Afoxé, Ciranda, Maxixe, Tambú e Samba de Umbigada, em arranjos vocais e instrumentais para viola caipira, violão, flauta, sax, e percussão. Os ingressos são vendidos na bilheteria por: R$ 17,00 (inteira); R$ 8,50 (meia); R$ 5 (credencial plena); Crianças até 12 anos não pagam.

O público é convidado a conhecer e celebrar a cultura ancestral por meio de grandes bonecos que personificam os Orixás e uma cenografia inspirada em artesanato brasileiro, arte naïff e festas tradicionais. Já a trilha sonora, faz parte de um CD, de mesmo nome da peça teatral, lançado em julho do ano passado pelos artistas Elaine Buzato e Valter Silva.

“O cenário remete a uma floresta imaginária, um ambiente suspenso entre o Òrun e o Àiyé, o céu e a terra, na tradição Iorubá. Ele foi elaborado com diversos tipos de tecidos e rendas, criando combinações de costura que formam texturas e elementos de transparência”, conta Elaine, que é diretora e cenógrafa da companhia. A mesma estética foi usada na composição dos figurinos e dos adereços.

Confira abaixo o teaser do espetáculo:

Espetáculo Ciranda dos Orixás from Tempo de Brincar on Vimeo.

O álbum Ciranda dos Orixás teve ainda a participação do músico Barba Marques, pesquisador em percussão africana junto com a cantora Fanta Konatê. Segundo Elaine, a ideia do CD e espetáculo surgiu da admiração pelas culturas vindas de povos da África, que trouxeram conhecimentos e heranças que “a história tentou apagar”, e também da mistura com a cultura caipira e católica sincretizada.

“Nós arriscamos fazer essa Ciranda dos Orixás em tempos que clamam por respeito, pelo reconhecimento da contribuição inestimável desses povos” diz a moça.

Na primeira vez em que o compositor Valter Silva pisou em um terreiro de Umbanda, saiu “encantado” pela mitologia africana e o som do atabaque. A magia foi tanta, que resolveu ele mesmo ser Ogã, o tocador que com sua música chama o Orixá. Com o tempo, começou a compor suas próprias canções inspiradas nas culturas tradicionais.

“Os arranjos de percussão em cada música tem o toque tradicional, mas com tons lúdicos e delicados”, ressalta.

Para a artista, o universo mítico afro-brasileiro tem muito a ver com a linguagem da infância, levar esse conhecimento às novas gerações através da música “pode ser um caminho para transpor as barreiras do preconceito causado pela falta de conhecimento”.

“Então nós queremos somar nossas vozes, nossa música, nossa poesia, às vozes muitas vezes caladas, silenciadas e oprimidas, e propor às novas gerações, não falando ‘por’ ninguém, mas falando ‘com’ todos aqueles que acreditam em tempos onde as feridas possam ao menos ser aliviadas pela beleza do encontro com a arte e da linguagem do afeto”, conclui.

“Ciranda dos Orixás” é resultado do trabalho de pesquisa da Cia. Tempo de Brincar, que circula por diversos estados e comunidades do Brasil em busca de crenças e saberes populares.
Com 15 anos de trabalho, incluindo a produção de cinco CDs e dois DVDs, a companhia tem na direção a atriz e artista plástica Elaine Buzato e o músico Valter Silva. Juntos, eles realizam um trabalho de pesquisa e criação inspirado nas artes populares no Brasil. Saiba mais sobre o trabalho da Companhia no documentário “Tempo de Brincar”:

 

Ficha Técnica
Direção: Elaine Buzato e Valter Silva.
Flauta Transversal, Pífanos e Bonecos: Elaine Buzato.
Composição, Violão e Viola Caipira: Valter Silva.
Sax, flauta e pífanos: Jefferson Goiaba.
Percussão: Marco Correa.
Iluminação: Ana Matiê.
Som: Hélio Pisca fotografia.
Arte: Leonardo Gallep.
Fotografia cênica: Sandro Costa.

Ciranda Dos Orixás
Local: Teatro do Sesc Ipiranga (200 lugares).
Endereço: Rua Bom Pastor, 822.
Classificação: Livre.
Data: 15/4, domingo, às 11h.
Duração: 60 minutos.
Ingressos: R$ 17,00 (inteira) | R$ 8,50 (meia) | R$ 5 (credencial plena) | Crianças até 12 anos não pagam.