Brechó para louças de santo auxilia terreiros com poucos recursos

Serviço é uma forma de manter viva a memória da saudosa Yalorixá Mãe Regina de Oxóssi

Quartinhas de santo também são vendidas no Brechó. Foto: Reprodução da Internet.

Uma das maneiras mais significativas de manter viva a memória de alguém que em vida realizou grandes feitos é levar adiante seu legado. E é assim que Rodrigo Cortejano mantém viva a memória de Mãe Regina de Oxóssi, através do Brechó que realiza em Madureira, Zona Norte do Rio de Janeiro. Na loja, estão à disposição do público diversos itens de louça de santo. A iniciativa teve sua primeira edição em julho do ano passado por ideia da Sacerdotisa que faleceu pouco tempo depois, no mês de outubro.

Adepto do Candomblé e iniciado há 21 anos para Oxum, Rodrigo, de 33 anos ocupa o cargo de Egbomi no Ilê Axé Omin Bain, casa comandada por mãe Margareth de Oxum e que fica localizada em Campo Grande, Zona Oeste do Rio. Apesar de não fazer parte do terreiro de mãe Regina, a relação próxima que mantinha com a ilustre sacerdotisa se desenvolveu por conta da função que exercia como secretário da mãe de santo.

“No início, era uma relação de trabalho, mas com o tempo surgiu um vínculo de amizade e companheirismo. Era pra mim como se fosse uma mãe. Ali foram surgindo ideias até que ela decidiu criar o brechó e eu a apoiei”, lembra.

Leia também: 

Uma missão para um Caboclo

Curso África na UFRJ começa neste sábado

IZA lança clipe “Ginga” exaltando suas raízes africanas

Além de Rodrigo, o projeto é levado adiante também por Mãe Verinha e por Babá Gustavo, filho carnal da Yalorixá e atual dirigente do Ilê Axé Igbá Odé. A casa que era comandada por Mãe Regina também fica no bairro de Madureira. O brechó, que teve sua segunda edição realizada recentemente após o falecimento de sua idealizadora, comercializa itens como tigelas, quartinhas, sopeiras, entre outros, que não necessariamente foram usados. O foco do projeto é disponibilizar artigos religiosos a preços acessíveis.

“Muita gente está começando agora a abrir casa de Candomblé e não tem condição de estruturar, pois produtos novos costumam ser caros e sabemos que, no início, muitas casas não contam com muitos recursos”, explica.

Todo o fundo arrecadado através das vendas é direcionado principalmente aos projetos sociais que eram realizados por Mãe Regina. A sacerdotisa tinha um grande envolvimento com ações filantrópicas, além de ter forte ligação com a cultura. A lendária mãe de santo era uma grande representante da religião fora do país. Em uma de suas 13 viagens à África, chegou a ser condecorada na Nigéria pelo Rei de Oyó como embaixatriz da cultura afro, além de outros diversos prêmios que recebeu, inclusive postumamente.

“Graças a Deus e a Oxóssi, ela conseguiu construir um império e erguer um nome que é lembrado até hoje”, ressalta.

O Brechó, que tem se mostrado um verdadeiro sucesso, pretende crescer ainda mais. O Egbomi conta que ele, Mãe Verinha e Babá Gustavo pretendem futuramente ampliar o projeto e comercializar outros produtos.

“A gente pretende, mais para frente, criar outro tipo de brechó, não só com louças, mas com outros itens. Muitas casas possuem um excedente. Queremos fazer parcerias com outras casas para adquirir itens como móveis, comercializar coisas a preço popular, a um valor acessível onde seja possível que todos possam aproveitar”, conclui.

O Brechó fica na Rua Compositor Silas de Oliveira 68, Madureira, Rio de Janeiro. Os pedidos também são aceitos pelo WhatsApp pelo número (21) 9 7320-3510.

*Estagiário supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.