A polêmica sobre a previsão dos orixás regentes de cada ano

Diferentes interpretações e métodos fazem com que o resultado seja personalizado para cada terreiro

Xangô, Iansã e Exú são os orixás regentes de 2018 na interpretação de algumas casas. Foto: Reprodução da Internet.

No findar de cada ano, dentro do universo que envolve a religiosidade afro-brasileira, um dos assuntos que mais ficam em evidência é sobre qual Orixá irá assumir a regência do próximo ciclo. O fato de que o ano será regido por uma ou mais divindades é unânime entre os espiritualistas. Entretanto, há divergências sobre qual força de fato irá comandar as energias durante o novo período e os métodos que são adotados entre diferentes casas e sacerdotes para definir a previsão.

No meio dessa história toda, geram-se muitas dúvidas sobre quem está certo, ou quem está errado. Afinal, entre tantas afirmações, é possível apontar aquele que dá o veredito final? Depende. Existem diversos métodos para se obter a tão esperada resposta sobre qual divindade irá cuidar daquele período, como o jogo de búzios, a numerologia, a consulta direta a um guia espiritual e mais uma série de outras alternativas. Cada um destes métodos possui sua validade, e a escolha dependerá de uma determinada doutrina ou da religião em específico. A pluralidade de técnicas e resultados não é a única divergência entre os adeptos. As opiniões e crenças em torno do assunto também são bastante diversas.

O Babalorixá Adérito Simões, que mantém um canal no Youtube onde aborda assuntos pertinentes à Umbanda não acredita na possibilidade de um único Orixá ficar como regente ao longo de um ano inteiro.

“(…) Não há como estabelecer a regência para o planeta em um período de tempo específico anual. Eu não acredito nesta crença, não há problema nenhum com quem pensa diferente, respeito todas as formas de pensamento, todas as crenças, convicções… Não acho que é ruim, não acho que é pior, eu só simplesmente tenho outro pensamento (…)”, defende.

Já o umbandista Marcio Kain, que também mantém o canal Umband’boa no Youtube, acredita que independente do ano, a energia do Orixá Exu sempre estará presente, mesmo não sendo o regente principal.

“(…) Da forma que eu enxergo, eu acho impossível existir qualquer ano, qualquer ação, qualquer atividade no planeta sem a presença de Exu. Então, na minha ótica, na forma como eu entendo, Exu está em todos os anos, todos os meses, todas as semanas e todos os dias. Sem Exu não se faz nada (…)”, argumenta.

No ano de 2017, muito se falou sobre a regência principal de Oxóssi junto com Oxum. Porém, de uma forma geral, alguns interpretam que o período foi marcado por acontecimentos não condizentes com a energia pertencente a estes orixás que estão associados a fartura e a prosperidade. E levando em consideração a realidade do Brasil, o ano que se passou apresentou grandes dificuldades.

O fato é que, independente de previsões ou técnicas utilizadas para se chegar a uma conclusão, os orixás sempre estarão presentes, seja no mundo de uma forma geral, em uma casa específica, ou no Brasil.

*Estagiário de Redação supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.