Quando a “Magia do Axé” se estende para um negócio de sucesso

Marcelo Moreno produz ilustrações para o e-commerce Magia do Axé. Foto: Divulgação/Magia do Axé

Ter fé na espiritualidade nem sempre significa estar vinculado a alguma casa específica. Afinal, o amor vindo dos Orixás não depende desse vínculo para se consolidar e se fazer presente na vida daquele que crê no poder das divinas manifestações das forças da natureza. E é exatamente dessa forma que o carioca Marcelo Moreno, de 27 anos, mantém sua relação com a religiosidade afro-brasileira, desde sua infância, pela forte influência vinda de sua mãe.

O jovem frequenta a Umbanda desde pequeno com uma certa frequência, mas, apesar disso, não faz parte de um terreiro como filho.

“Frequento a Umbanda desde pequeno, não regularmente, mas não sou adepto de uma nação específica”, ressalta Moreno, que é um grande admirador das religiões de matriz africana.

Leia também:

Marajoara: arte mais antiga do Brasil e das Américas compõe peças de assentamento e outros ritos

Axé em forma de pequenas obras de arte

A influência vinda por parte de sua mãe que na Bahia foi praticante do Candomblé é tão forte que, em 2012, o carioca decidiu criar a fanpage Magia do Axé, onde publicava artes produzidas por ele mesmo. A ideia surgiu da vontade de desmistificar o preconceito que é direcionado às religiões de prática espiritualista com raízes africanas. Com o passar do tempo e o sucesso do projeto, a página evoluiu e tornou-se um e-commerce.

“A loja aconteceu por acaso, quando percebi que as pessoas gostavam dos desenhos que eu fazia. Com isso, fui aprimorando a técnica e deixando eles (os desenhos) contarem suas histórias através de mim”, conta.

No Facebook, além da exposição dos produtos, a ideia inicial de produzir conteúdo sobre Umbanda e Candomblé se mantém. O objetivo é trazer à luz a informação e minimizar o preconceito com estas crenças.

Na loja online, são comercializados produtos como camisetas, almofadas, canecas, cases para celular, entre outros. A produção dos itens fica por conta do ateliê de uma amiga que fica em São Paulo e que tem uma equipe para auxiliar na demanda. O e-commerce representa parte da renda de Moreno e de sua parceira. Há, inclusive, planos de expansão da loja futuramente.

“Hoje a Magia do Axé é parte, tanto da minha renda, quanto da dela. Estou buscando expandir para mais estados, além de abrir para licenciamento de
diversas marcas badaladas cujas parcerias serão reveladas em breve”, adianta Moreno.

A maioria dos pedidos vem de São Paulo, Rio de Janeiro… O Rio Grande do Sul e a região Nordeste também se destacam na quantidade de consumidores à procura dos itens vendidos na loja. Os produtos que mais fazem sucesso são as camisetas e os cases para celular. O Magia do Axé sempre expõe seus produtos no festival Atabaque de Ouro.

Para o jovem, sempre é positiva a experiência de comparecer ao evento como expositor.

“Nossa produção sempre leva a marca e sempre é o maior sucesso. E o mais legal desses eventos é ver que minha arte consegue falar tanto com os adultos, quanto com as crianças que ficam maravilhadas com as cores e o traço que lembra bastante a Disney. Quando pequeno, eu fui seduzido pela fé assim”, relembra o carioca.

O e-commerce está no ar há dois anos e a fanpage hoje tem quase 100 mil seguidores. Já o Instagram possui mais de 24 mil.

*Estagiário de Redação supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.

Conheça a coluna Ogans Em Ação, de Tião Casemiro:

Valorizando o sagrado e o profano