Caridade para além do terreiro: projetos sociais ampliam assistência a quem precisa

Creche, doações e assistência médica são prerrogativas de casas de santo da capital carioca

Fundação Joaninha atende centenas de crianças e idosos. Fotos: Divulgação /Arquivo Pessoal

Ser umbandista e nascer no dia 15 de novembro, data que marca o surgimento da religião anunciada pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, em 1908, está longe de ser uma mera coincidência. E é justamente nesta data tão significativa para os adeptos da Umbanda que a carioca Maria Rosa Bairos veio ao mundo. A aposentada, que é Yalorixá da Cabana do Caboclo Folha Verde e Vovó do Congo há 45 anos, é uma filha de pemba de longa data. Seu contato com a espiritualidade vem desde a infância, quando ainda tinha 9 anos de idade.

Além de ser dirigente deste terreiro, que fica no bairro de Magalhães Bastos, Maria Rosa é também presidente da Fundação Casa da Joaninha, fundada em 2004. A instituição filantrópica atende crianças carentes que possuem entre um e três anos e que, em sua maioria, são moradoras de comunidades como Curral das Éguas, Fumacê e Batan, na Zona Oeste do Rio.

“Oferecemos assistência aos idosos com atendimento médico gratuito de Fisioterapia e Cardiologia, bem como palestras. Já os pequenos, contam com atividades interativas sob a supervisão de pedagogas e, quando deixam a instituição, já saem encaminhados para escolas da rede pública de ensino com a matrícula já efetuada”, explica Maria.

A inspiração para a criação da obra social vem de Mãe Cydéa Paulo de Carvalho, de quem a aposentada é filha de santo. Ela ainda afirma que a sacerdotiza realizava ações similares em seu terreiro. A Fundação Casa da da Joaninha se mantém através da ajuda que recebe daqueles que se solidarizam com a nobre causa levada adiante por Maria Rosa. Além disso, são promovidos eventos com a finalidade de arrecadar fundos para a instituição. O último deles foi o baile infantil de carnaval que aconteceu no dia 18 e fez a alegria da criançada. E por falar em eventos, a líder do projeto convida a todos para comparecerem ao Festival de Cantigas de Umbanda, no dia 9 de setembro, a partir das 13h, no Clube São José, em Realengo. A iniciativa é promovida com o intuito de arrecadar recursos para a organização há cerca de 6 anos.

A aposentada ainda conta que, a crise financeira que assola o país, tornou ainda mais difícil a arrecadação de fundos e donativos para manter o projeto. A Yalorixá ressalta que qualquer tipo de ajuda direcionada à Fundação Casa da Joaninha é bem-vinda, desde cestas básicas, até a ajuda financeira.

“Estamos lutando com unhas e dentes para não fechar a Fundação”, afirma.

José Maria Moreira também promove projetos sociais há 15 anos em nome da Tenda Espírita de Umbanda Caboclo Zumbi na qual é dirigente e que fica no bairro Colégio, Zona Norte do Rio de Janeiro. A casa atende pessoas carentes de cidades do interior do Estado, que se cadastraram previamente no terreiro, com a entrega de cestas básicas e alimentos em geral. Idealizado pelo próprio sacerdote do templo, o projeto filantrópico é executado mensalmente. Para o Pai de Santo, apesar da maioria das ações serem feitas fora da capital Rio, isto não impede que a caridade também seja direcionada aos irmãos cariocas.

José Maria atua no interior do Estado.
Foto: Henrique Esteves

“Tudo é uma questão de necessidade. As ações que minha casa promove são efetuadas todos os meses, pois as pessoas necessitadas enfrentam dificuldades o ano inteiro, e não só em datas comemorativas, como o Natal. A iniciativa surgiu da vontade de ajudar o próximo. A caridade é uma atividade que não requer nenhum custo e esse é um dos principais pilares da Umbanda”, ressalta.

Atividades filantrópicas como a realizada pela Tenda de Umbanda Caboclo Zumbi mostram que a caridade vai muito além dos domínios do terreiro. Ainda que esta ajuda possa não ser o suficiente para resolver as mazelas enfrentadas pelos irmãos, o sacerdote acredita que seu propósito ameniza o sofrimento dos mais necessitados.  

“Tento suavizar um pouco a vida daqueles que precisam. Sei que essas ações não resolvem todos os problemas que essas pessoas enfrentam, mas acredito que seja possível contribuir para que eles tenham uma vida um pouco menos difícil”, evidencia. 

José Maria acredita que está no caminho certo e pretende desenvolver ainda mais o projeto para atender mais pessoas. Aos interessados em somar ao projeto com doações, os itens devem ser direcionados à T.E de Umbanda Caboclo Zumbi, que fica na Praça Coronel João Zani, nº 5, no bairro Colégio. A preferência é por donativos relacionados à alimentação básica como arroz, feijão, óleo, leite, entre outros alimentos.

Já qualquer tipo de doação direcionada à Fundação Casa da Joaninha será recebida na Cabana do Caboclo Folha Verde e Vovó Ana do Congo, localizada na Rua F, Lote 2, Quadra 13, em  Magalhães Bastos, no Rio de Janeiro. O telefone do local é: (21) 3465-4476.

* Estagiário supervisionado pela jornalista responsável Íris Marini.